Entrevista CLIPPA | Paulo Afonso Tem

Entrevista CLIPPA

 O site pauloafonsotem entrevistou Maciel Teixeira Lima, conhecido como Maciel da Loja Milenium, sobre seu mais novo empreendimento, a CLIPPA – Clinica Psicanalítica de Paulo Afonso. Durante a entrevista Maciel deixou bem claro que a Clínica é a realização de um sonho, falou de seu amor pela cidade de Paulo Afonso, mostrou seu amplo conhecimento na área que está abraçando e nos mostrou cada ambiente desta clínica que veio com certeza para atender todo aquele que buscar um atendimento psicanalítico, seja de Paulo Afonso ou de outra cidade. Nós do site pauloafonsotem queremos parabenizá-lo pela idéia e a todo corpo clínico pelo excelente trabalho que vem desenvolvendo. Desejamos a toda a equipe muito sucesso.

maciel da milenium 2  Entrevista CLIPPA maciel da milenium 2

Site pauloafonsotem< –  O  que é Psicanálise?

Maciel – É uma ciência que ocupa-se dos distúrbios psíquicos originados no inconsciente. Tem como propósito descobrir o que está recalcado (afastado e preso) no inconsciente e que causa necessidades, complexos, traumas e que perturba o equilíbrio emocional do ser humano. Existe duas formas de abordagem da Psicanálise. A que busca evidenciar o significado inconsciente das palavras, ações, sonhos, fantasias, etc. (produções imaginárias) do individuo. Esta é a abordagem Psicanalítica Analítica. A outra abordagem é a Psicoterápica, utilizada como apoio nos tratamentos de ordem psiquiátrica mas não substitui a necessidade de acompanhamento médico e medicamentoso.

Site pauloafonsotem – Quando surgiu a Psicanálise e quando chegou ao Brasil?

Maciel – Surgiu em 1890, através do medico Sigmund Freud, que desenvolveu um método de escuta e análise muito singular, e a partir daí criou uma nova maneira de acolher o sofrimento humano. Ele descobriu que a repressão de desejos inconscientes e de desejos sexuais (fruto de conflitos culturais) poderia resultar em patologias aparentes fisicamente como cegueira, paralisias e que depois desapareciam. Ou seja, à medida que tais conflitos eram recalcados no inconsciente, eclodiam fisicamente no individuo.

A Psicanálise chegou ao Brasil em meados de 1912, através do Psiquiatra baiano Juliano Moreira, fundador da moderna Psiquiatria brasileira, seguido por outros pioneiros, entre eles Francisco Franco da Rocha, que em 1920 publicou o livro o Pan Sexualismo na Doutrina de Freud, este foi um dos primeiros livros da divulgação de doutrina de Freud entre nós. Ele também fundou em outubro de 1927 a Sociedade Brasileira de Psicanálise (SBP), a primeira da América Latina. Em 1951 surge a Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

Site pauloafonsotem – Quem é o profissional Psicanalista?

Maciel – O Psicanalista pode ter formação em diferentes áreas do ensino superior, seja humanas, exatas ou biológicas, e possuir então uma formação em Psicanálise, que é o método terapêutico criado por Sigmund Freud. Este método busca interpretar os conteúdos inconscientes de palavras, ações e produções imaginárias do indivíduo através de associações livres de idéias.

Site pauloafonsotem – Como é a formação do Psicanalista?

Maciel – O Psicanalista passa por um processo de formação bastante especifico, que vai além da conclusão do curso da Psicanálise e que continua ao longo do seu trabalho, além do curso de formação o Psicanalista participa de um grupo ou sociedade de Psicanálise, que estuda de modo sistemático a obra de Freud e outros autores, deve também atender pacientes sob a supervisão de outro Psicanalista (que é o estágio) e deve também submeter-se a análise pessoal.

Site pauloafonsotem – O que faz um Psicanalista?

Maciel – Ele observa, investiga e analisa os processos psíquicos, Ele também interpreta as mensagens inconscientes presente na escolha das palavras, na livre associação de idéias e nas ações do paciente, ele facilita o processo de autoconhecimento, ajuda a lidar com conflitos internos e angústias, conduz o paciente no tratamento de doenças de natureza psicológica, aparentemente sem motivação orgânica.

Site  pauloafonsotem: Maciel como foi que surgiu a ideia da CLIPPA ?

Maciel: Através de um sonho. Um sonho de trazer pra Paulo Afonso uma clinica pra acolher, os pacientes  que querem ter uma melhor qualidade de vida. A CLIPPA que é a Clinica Psicanalítica de Paulo Afonso tem o objetivo de trabalhar, através da psicanálise, nas pessoas que nos procuram o seu inconsciente, os traumas  inconscientes, e nós tivemos essa ideia de um local onde se trabalha, só a psicanálise nesse intuito. Fazer um local onde as pessoas se sintam acolhidas, onde as pessoas tenham um divã pra deitar, e nesse divã jogar pra fora aquilo que está incomodando. Hoje o ser humano, ele não tem muito espaço pra ser ouvido. Até mesmo em nossos lares, mesmo com as pessoas que mais amamos e que mais nos amam, o tempo pra se ouvir é muito escasso. Então a CLIPPA ela foi criada com esse intuito: acolher as pessoas que nos procuram com os seus traumas, com os seus recalques e fazer com que essas pessoas se fortaleçam.  Esse é o objetivo  da psicanálise, fortalecer pessoas para que tenham uma melhor qualidade de vida, reelaborando os seus traumas inconscientes, e que essas pessoas, elas mesmas, tenham esse poder. O psicanalista escuta e trabalha com a pessoa  essa questão da reelaboração para que ela vá se fortalecendo e vá pra sociedade mais fortalecida, mais capaz , por que nós somos capazes, mas as vezes nos sentimos tão frágeis e precisamos de alguém para nos escutar e até pra nos aconselhar, se for o caso, nesse processo analítico.

Site pauloafonsotem: Você falou nós? Quem “somos nós”?

Maciel: nós temos um corpo clinico aqui na CLIPPA, Hoje nós temos a Drª Maria Rosangela Santos, que já atua como psicanalista, ela foi a primeira psicanalista a integrar a equipe da CLIPPA, temos ainda Dra. Joana Darc Ferraz, Dr. Manfred Fonsêca e Dra. Maryzaura Dos Santos. Nós temos também os estagiários do Curso de Psicanálise  do Instituto Sumus de Recife. Eu sou um desses estagiários, e já estou atuando desde o dia 28 de maio, aqui na CLIPPA. Como estagiário eu atendo os pacientes piloto. Para que eu possa encerrar o meu curso preciso passar por esse estagio, e nós formamos um corpo clinico de psicanalistas. Estamos pretendendo colocar aqui em torno de 6 ou 7 psicanalistas para que possamos atender a demanda, afinal hoje tem muita gente precisando ser ouvida, muita gente nos procurando, e estamos aí, formando esse corpo clinico. Você já pode divulgar o nome dos profissionais que já estão conosco e quando completarmos o corpo clínico divulgaremos os outros nomes.

Site pauloafonsotem: Maciel como foi a escolha do nome?

Maciel: CLIPPA nome interessante não é? A gente queria um nome fácil, que o paciente ou qualquer  pessoa que passasse aqui de frente mentalizasse com uma certa facilidade, e aí eu e o nosso web design Osmanyr, fizemos uma pesquisa em cima de um nome muito prático e foram surgindo vários nomes, então chegou-se a CLIPPA, com dois p’s: Clinica Psicanalítica de Paulo Afonso. Um nome fácil, prático, e nós percebemos que seria até melhor para o paciente  memorizar esse nome. E também o nome teve uma ligação: Clinica com Psicanálise e também Paulo Afonso, que é a nossa cidade, onde estamos investindo e acreditando. Nós acreditamos sempre, eu acredito muito em minha cidade. Eu acho que Paulo Afonso hoje além de ser uma cidade muito linda, uma cidade limpa, uma cidade que eu tenho prazer em morar, também precisava de uma clinica direcionada para a Psicanálise, para as pessoas que querem realmente melhorar-se e melhorar dos seus traumas.

Site pauloafonsotem: Como é a abertura ao público?

Maciel: A CLIPPA é um espaço pequeno. Em geral as Clinicas de Psicanálise não tem recepcionista, porque o atendimento é com hora marcada, o paciente marca hora e o analista fica na espera, então nós não temos um espaço muito grande para uma inauguração digamos assim. Então estamos divulgando, vamos começar um processo maior de divulgação da CLIPPA este mês, e daqui há alguns dias, como eu te falei, o corpo clinico já está quase todo formado e vamos ter a divulgação na internet. Nós já temos um blog, que está em formação, temos o facebook, nós estamos anunciando também na revista Star Bem, e temos uma página no site pauloafonsotem.com. Os próprios analistas que estão aqui trabalhando conosco também vão fazer esse trabalho de divulgação, com seus cartões, com o seu nome, pois alguns já tem vários anos na Psicanálise, e assim nós queríamos fazer uma inauguração, mas para chamar as pessoas para um espaço tão pequeno ficaria desconfortável. Então decidimos fazer este processo de divulgação nesses meios que eu te falei. Mas queremos levar para o publico que não conhece o que é a Psicanálise, e  também vamos agendar visitas. Através do  nosso blog a pessoa agenda uma visita para conhecer  a Clinica e também bater um papo  com o psicanalista sobre a Psicanálise, principalmente para os curiosos, aqueles que queiram aprofundar um pouquinho o conhecimento sobre a Psicanálise, isso é muito bom. Serão muito bem vindos.

Site pauloafonsotem: Vai começar com uma clinica  para estágios,  você me falou em outro contato que nós tivemos.  Como vai funcionar esta relação estagiário e paciente?

Maciel: Nós temos os analistas, os Psicanalista que já são formados que estão atuando, e vamos ter dois dias na clinica para estágio. Então esse paciente piloto, que vai vir para o estagiário, ele vai pagar metade do preço de uma consulta. Por quê? Para  manutenção da clinica e também porque a Psicanálise trabalha com um código de ética,vamos dizer assim, muito sério. Precisamos  manter esse valor para que o próprio paciente também valorize o trabalho do profissional mesmo sendo um estagiário.  Então este paciente piloto, ele já virá sabendo que vai  ser atendido por um estagiário. Logicamente que o Instituto Sumus nos dá uma base, uma bagagem muito boa na questão teórica, e esse paciente que  virá pra cá, esse paciente piloto, ele vai nos dar agora a questão pratica, vamos ter que contar com esse paciente para colocar em prática aquilo que aprendemos na teoria, como é de praxe em qualquer profissão de formação acadêmica. Lembrando que o analista ele já tem essa bagagem teórica. Serão 6 meses de estágio, após 6 meses recebemos a carteira definitiva e já atuaremos então como psicanalistas formados.

Site pauloafonsotem: E alguns desses que já são formados que estão aqui, vão fazer o acompanhamento  desses estagiários ?

Maciel: o estagiário ele é acompanhado pelo supervisor, que no caso desta primeira turma, é uma supervisora. Ela é de Recife, seu nome é Nádia, ela é a Coordenadora  do curso que está acontecendo aqui em Paulo Afonso, este que nós estamos terminando, ela é também a coordenadora do Instituto Sumus, que é o Instituto que oferece este curso de Psicanálise aqui em Paulo Afonso na UNISA. A UNISA cede a sala, mas o curso e toda a estrutura do curso é de Recife, do Instituto Sumus. É um curso de 3 anos, onde a gente passa 2 anos e 4 meses na teoria e 6 meses no estágio.

Site pauloafonsotem: Mas esse supervisor, ele não fica na sala com o estagiário ?

Maciel: Não, não pode. O supervisor ele vem uma vez ao mês, e aí ele passa um dia com o estagiário para que o estagiário possa passar para o supervisor aquelas dificuldades que ele encontrou com alguns pacientes, caso ele encontre dificuldade. Lembrando também que existe um código de ética muito sério na Psicanálise: o supervisor não vai saber o nome do paciente, o estagiário vai passar para o supervisor o caso, sem citar nomes, nem profissão da pessoa.  É algo muito sério, é muito seguro, mesmo como estágio, mas tem que ter todo esse cuidado na Psicanálise.

Site pauloafonsotem: Maciel a “cultura” de Paulo Afonso primava por fazer tratamento psiquiátrico e psicológico fora da cidade, apesar de haver esse código de ética que impede que algo dito numa consulta seja exposto. Então os pauloafonsinos quando tinham que fazer um tipo de tratamento assim iam para Recife, Salvador, Aracaju. Você acha que isso mudou? O que você poderia falar sobre isso?

Maciel: mudou muito, por que hoje tanto a Psicanálise como a psiquiatria são vistas de outra forma. Está  mudando muito, eu creio, porque nós temos aqui hoje bons profissionais, profissionais também éticos. Muitas vezes o preconceito está no próprio paciente, não no profissional, por que se nós psicanalistas estamos lidando com questões inconscientes, não estamos lidando com loucos, vamos lidar com pessoas que querem, como eu já falei, ter uma melhor qualidade de vida, que querem resolver os seus traumas inconscientes, que querem melhorar como pai, como mãe, como cidadãos, e que querem tentar conviver melhor consigo mesmo, por que resolvendo os traumas eu posso conviver melhor com o outro. Então hoje essa cultura já mudou muito, as pessoas estão mais abertas para a Psicanálise e para a psiquiatria. Hoje as pessoas já dizem “eu procurei um psiquiatra, porque eu preciso, eu não estou conseguindo dormir”, ou “estou muito ansioso”, então as pessoas já não tem mais esse preconceito em relação a isso. Hoje a gente vê muito a mídia divulgando, os artistas divulgando dizendo “eu faço minhas analises, melhorei muito com isso”. Isso não é mais um tabu, é algo que vai levar a pessoa a uma melhora, e onde ainda existir isso, esse tabu, deve ser quebrado e já esta sendo quebrado da nossa sociedade.

Site pauloafonsotem: E como surgiu pra você o interesse pela psicanálise? Você um comerciante bem estruturado e bem sucedido em Paulo Afonso, decidiu navegar por outros mares? Como foi que surgiu esse interesse?

Maciel: para trabalhar o lado humano. No comércio a gente trabalha muito o material. Na Clinica Psicanalítica  vamos trabalhar principalmente o ser humano, a sua essência, então a Psicanálise me deu, me fez ver um mundo diferente do comercio, um mundo onde eu vou trabalhar com o paciente, aprender, ensinar, mas principalmente ajuda-lo nesse processo de neurose, que ele não compreende. Então trabalhar o lado humano é fazer com que o SER se torne melhor, através do querer dele e da vontade dele, o analista está aqui para impulsionar isso, para proporcionar ao ser que nos procura, ao paciente, uma melhor convivência  no meio em que está inserido .

Site pauloafonsotem – Quem pode fazer Psicanálise?

Maciel – Todas as pessoas que querem compreender o sentido inconsciente de suas ações e sentimentos, afinal a Psicanálise é uma técnica de tratamento, e o principal recurso é analisar o individuo. A Psicanálise também é indicada para quem tem depressão, stress, impulsividade, complexos, traumas, tristezas, obsessões, medos, crises de ansiedade, dificuldade de aprendizagem, pânico, transtornos de humor e de personalidade, uso abusivo de álcool e drogas, sentimento de culpa, sintomas corporais sem causas específicas, problemas sexuais de origem emocional, TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), e pode auxiliar no tratamento de crianças autistas.

Site pauloafonsotem – Quanto tempo dura um tratamento Psicanalítico?

Maciel – O tempo de freqüência é semanal, podendo variar entre 1, 2 ou 3 vezes por semana . Isto é avaliado pelo profissional. Cada sessão dura entre 50 minutos e 1 hora. Uma análise é um trabalho a longo prazo, normalmente dura alguns anos, mas não é possível prever a duração pois cada indivíduo é único, pode ocorrer uma melhora já desde o inicio do tratamento, mas isso não significa que ele deva ser interrompido. O indivíduo que sofre tem sua vida conduzida por questões inconscientes, e a Psicanálise pode ajudá-lo a identificar que questões são estas, e retirá-lo (o indivíduo) da posição de conduzido para a posição de condutor da sua própria vida. A Psicanálise busca trazer para o indivíduo uma melhor qualidade de vida e não é o tempo que determina quando isto será alcançado.

Site pauloafonsotem – Por que precisamos fazer análise?

Maciel – Porque somos seres de livre arbítrio, falamos o que pensamos, e isto pode nos trazer benefícios, mas também pode nos trazer conseqüências. A linguagem tanto pode libertar um sujeito quanto aprisioná-lo e o aprisionamento é o que mais presenciamos nos dias atuais, porque a palavra está vazia de sentido e poucas pessoas a valoriza. Ouvimos as pessoas falarem e não cumprirem com o que dizem, dizerem e afirmarem que falaram por falar, que se enganaram, esqueceram ou que não tem importância o que disseram. Ou seja, poucos se importam com a linguagem que utilizam e em que discurso estão inscritos. Como grande exemplo disso, é a maneira como a maioria dos cientistas tem feito do corpo humano, apenas um objeto de estudo e pesquisa biológica, sendo que, o deveriam fazer é a investigação no discurso para descobrir as causas do adoecer, e em que momento isto aconteceu.

Site pauloafonsotem – Como explicar a maneira que cada indivíduo faz para suportar a dor de existir?

Maciel – Cada indivíduo tem sua maneira de suportar a dor de existir, há aqueles que não se reduzem a serem corpos biológicos, estudados, cortados e drogados com medicamentos e há aqueles que buscam uma sessão de análise e é durante a sua fala em análise que descobre o que está lhe deixando insatisfeito e porque repete experiências em sua vida, que na maioria das vezes lhe causam transtornos e danos, reatualizando para ele experiências vividas anteriormente.

A Psicanálise possibilita que o indivíduo que está no escuro possa acender uma luz ou abrir uma janela e assim, saberá o que está fazendo e poderá se movimentar melhor no mundo, ou seja, com a certeza que seu destino não está escrito, ele é o responsável e assim poderá escrever sua história.

Site pauloafonsotem:  Maciel o que  você poderia falar em relação a pessoas que começaram o tratamento com a psicanálise e interromperam o tratamento, porque de repente se viram descobrindo coisas que não queriam ver e pararam o tratamento. Tem vontade de voltar mas está neste conflito pensando: “Eu vou terminar descobrindo coisas que eu prefiro não descobrir”, o que você poderia falar pra essas pessoas ?

Maciel: o tratamento psicanalítico ele mexe e mexe muito, por que você está mexendo numa caixa de escorpiões, então a gente precisa entender que quando você vai deitar no divã você vai jogar tudo para o analista, coisas que você as vezes não tem coragem de falar nem para o líder religioso, nem para o teu melhor amigo, nem pra família, que está ali lhe acolhendo, porque são coisas que  a gente faz muitas vezes, e que a gente vê como erro. Então o analista está ali para te acolher, para te escutar nunca pra julgar, nunca em momento algum para julgar, esta ali para escutar, fazer com que você se melhore, redirecione aquele problema, que você desconstrua aquele monstro que você acha que é aquele problema. Então isso é o que eu acho hoje interessante na Psicanálise. É importante que o analista tenha essa consciência, consciência de trabalhar isso com o paciente. Se você que está lendo esta entrevista deixou a analise, caso queira voltar, volte. Se deixou é por que mexeu, ótimo. Se você  não suportou a sua dor, dê um tempo, repense e volte, por que você vai voltar mais forte. Agora muitas vezes a gente prefere o comodismo, por que mexer naquilo que dói, que incomoda, isso causa muita dor, mas difícil mesmo é você continuar com aquela dor a  vida toda. Por mais difícil que seja a dor trabalhá-la ainda é a melhor opção. Venha conhecer a CLIPPA.

logo11  Entrevista CLIPPA logo111

[easy-media med=”11669,11670,11671″]


Compartilhe esse artigo com seus amigos:

Curta-nos


One thought on “Entrevista CLIPPA

Deixe uma resposta