Crianças em tratamento ficam em corredores lotados de hospital no CE | Paulo Afonso Tem

Crianças em tratamento ficam em corredores lotados de hospital no CE

O Jornal Nacional já mostrou que os médicos criaram um índice que mede o número de pacientes atendidos nos corredores dos hospitais no Ceará: o corredômetro. Nesta quinta-feira (14), o Jornal Nacional vai mostrar que a superlotação também chegou ao principal hospital pediátrico do estado.

Em corredores lotados, as crianças estão em tratamento. Ficam ao lado das vidraças e até embaixo de caixas de alta tensão. No local, são 50 crianças internadas nestas condições. O movimento no hospital aumentou muito com casos de dengue e sarampo.

Tudo isso acontece no Hospital Infantil Albert Sabin, que é uma referência pediátrica no estado do Ceará para casos graves, de alta complexidade, doenças crônicas e também atende emergências. E o que deveria ser pronto-socorro, se torna uma prova de resistência. As crianças reclamam como podem, e os adultos também.

"Três horas nesse inferno, Deus o livre, meu irmão está tremendo", diz uma mulher.

“Eu vim para cá para ser consultada, não vim para ser humilhada aqui nesse hospital não", protesta outra paciente.

Segundo o hospital, quase 70% dos casos atendidos na emergência deveriam ser resolvidos em postos de saúde. Mas, nos postos: "Só atendem e dizem: vai pra UPA, vai pra UPA tomar medicação injetável porque não tem aqui", diz Ana Gomes, dona de casa.

E quem já passou pelas UPAs, Unidades de Pronto Atendimento, também vem parar aqui. "Já foi pra UPA, chegou na UPA, disse que não tinha pediatra" desabafa uma mãe.

Resultado: corredores lotados de crianças. 

"Uma criança dessa está sendo exposta, porque passam nos corredores gente com meningite, com tuberculose, com vários tipos de infecções, com catapora, com sarampo. Então você se expõe a condições piores do que quando você chegou", afirma Edmar Fernandes, diretor do Sindicato dos Médicos-CE.

Para o secretário interino de Saúde do estado, as macas nos corredores não comprometem o atendimento.

"Todos esses pacientes estão sendo assistidos, e bem assistidos. Leitos de retaguarda estão sendo providenciados para que isso seja sanado o mais rápido possível", declarou Henrique Javi, secretário interino da Saúde- CE.

FONTE G1


Compartilhe esse artigo com seus amigos:

Curta-nos


Deixe uma resposta